Menu Fechar

1963 – 2023: Automobili Lamborghini, 60 anos de automóveis únicos

Desde a sua fundação em 1963, a Automobili Lamborghini tem produzido modelos únicos que assinalam a direção técnica e estilística que a empresa irá tomar no futuro imediato. Trata-se de protótipos técnicos ou de design ou de experimentação de novos conceitos para ajudar a desenvolver os Lamborghinis futuros. Nos anos 60, estas peças únicas eram muitas vezes carros de exposição destinados a desfiles em salões automóveis. Nos anos mais recentes, a designação passou de “one-off” para uma categoria criada especialmente pela Lamborghini: “few-offs”, essencialmente uma série limitada de automóveis para os clientes mais fiéis que antecipam ou melhoram as soluções técnicas mais avançadas que serão utilizadas nos automóveis de produção nos anos seguintes. A mesma fórmula será repetida dentro de poucos dias na Monterey Car Week, na Califórnia, onde a Automobili Lamborghini apresentará o protótipo do seu primeiro automóvel 100% elétrico.

O primeiro Automobili Lamborghini one-off foi o 350 GTV de 1963, que deu origem ao 350 GT, o seu primeiro carro de produção. Depois, dentro da gama 350-400 GT, surgiu o 350 GTZ, com duas unidades fabricadas pela Carrozzeria Zagato em Milão, em 1965, com base no 350. A Carrozzeria Touring, também sediada em Milão, construiu duas unidades 350 GTS de capota aberta em 1965. No mesmo ano, foi criado o 400 Monza, fabricado pela Carrozzeria Neri & Bonacini, que produziu as estruturas tubulares dos carros de produção 350-400 GT. Em 1966, o último modelo produzido pela Carrozzeria Touring foi o 400 GT Flying Star, um inovador shooting brake que, em termos de praticidade, viria a inspirar o Espada.

Em 1965, projetado para ser equipado com um motor traseiro, como previsto para o que viria a ser o Miura, foram desenvolvidos dois modelos de design: um, chamado P400 Tigre e feito pela Touring, e outro, simplesmente conhecido como P400, feito pela recém-criada Italdesign de Giorgetto Giugiaro. No entanto, este acabou por não ser o caminho certo, uma vez que não maximizaram suficientemente a solução técnica revolucionária do motor de 12 cilindros na posição transversal traseira e nunca foram construídos à escala 1:1. No entanto, na versão de Giugiaro, surgiu pela primeira vez uma abertura de porta não convencional, para a frente e para cima, mas presa ao tejadilho. Foi a primeira semente de uma ideia que viria a germinar com o Countach.

O Marzal, o carro “de vidro” de quatro lugares, foi apresentado em 1967 e estava destinado a tornar-se um dos carros de exposição mais conhecidos do mundo, trazendo muitas ideias novas que mais tarde seriam utilizadas na produção da Lamborghini. Em primeiro lugar, quatro lugares confortáveis, um dos itens mais comuns na lista de desejos de Ferruccio, e a frente plana e afiada, e os hexágonos que mais tarde seriam encontrados na Espada. Além disso, os hexágonos tornar-se-iam um dos símbolos estilísticos da Lamborghini que, ainda hoje, aparecem com frequência. O Marzal também ostentava portas de asa de gaivota muito grandes. “Fizemos tudo para mantê-las no Espada”, recorda o engenheiro Stanzani, “mas os diferentes volumes exigidos pela posição dianteira do motor V12 desafiaram-no, e no Marzal foi um motor traseiro de 6 cilindros em linha montado transversalmente que nos impediu de o fazer”.

No Salão Automóvel de Bruxelas de 1968, o Miura Roadster foi apresentado no stand da Bertone, cativando toda a gente desde o primeiro olhar. Era lindo, mas precisava de alguns desenvolvimentos que não eram possíveis. Na verdade, a Lamborghini já estava a trabalhar em dois novos projectos: o primeiro carro de quatro lugares (o protótipo Espada foi apresentado em 1967) e o carro “pequeno” (o Urraco, desenvolvido em 1969), cujo primeiro protótipo foi apresentado em 1968. Em 1981, o Faena, produzido pela Carrozzeria Frua, foi desenvolvido com base no Espada, oferecendo uma versão de quatro portas. Em Sant’Agata Bolognese, começa-se a pensar que pode haver um mercado para um Lamborghini de quatro portas.

Em 1970, Bob Wallace, o lendário piloto de testes da Lamborghini, revelou ao mundo o Miura Jota. Foi uma criação sua, apoiada pessoalmente por Ferruccio, que viu naquele automóvel, fabricado por Bob nos seus tempos livres com máquinas e peças da empresa, um fantástico protótipo de experimentação técnica. Cada aspeto do Jota foi construído como se fosse correr, respeitando as regras do Apêndice J do campeonato de carros de turismo, e a mitologia que o rodeava tornou claro para a Lamborghini que os seus clientes estavam sempre à procura de algo mais. O conceito das versões especiais, uma evolução do modelo de série e ainda hoje tão importante na Lamborghini, nasceu precisamente deste protótipo. Em resposta à procura dos clientes, a Lamborghini construiu quatro unidades do Miura inspiradas no Jota, conhecidas como SV-J.

O Countach LP 500 foi apresentado como um concept car no Salão Automóvel de Genebra de 1971. Foi concebido para testar as reacções do público e dos potenciais clientes a um automóvel tão futurista. O sucesso foi imediato e o Countach LP 400 tornou-se num automóvel de produção com alterações mínimas, mantendo as portas de tesoura que, a partir de 1973, seriam uma caraterística distintiva de todos os automóveis Lamborghini de 12 cilindros com um motor montado na retaguarda.

Em 1973, Bob Wallace voltou a fazê-lo, criando o Urraco Rally com o mesmo conceito básico do Miura Jota, baseado no novo regulamento de corridas do Grupo 5 e chamado Silhouette na altura, partindo de uma base Urraco 250 e aumentando o motor para 3 litros. Deste protótipo surgiu o Urraco P300 em 1974, com motor de 3 litros com dupla árvore de cames à cabeça e distribuição por corrente, e o Silhouette em 1976, a versão de capota aberta baseada no Urraco 300, cuja aerodinâmica foi inspirada no Rali.

O Jarama Rally de 1973, muitas vezes referido como o Jarama Bob, foi a última criação de Bob Wallace, que seguiu o mesmo conceito dos dois modelos anteriores, desta vez baseado no Jarama 2+2 de 1970. Neste caso, a aerodinâmica foi novamente revista, combinada com um aligeiramento geral e, mais importante, a deslocação do motor V12 dianteiro para o cockpit, para um melhor equilíbrio e distribuição do peso, melhorando consideravelmente o desempenho em estrada.

Em 1978, Walter Wolf, fiel cliente da Lamborghini, apoiado por Giampaolo Dallara como consultor externo, solicita algumas modificações no seu Countach LP 400. Rodas de maiores dimensões e pneus de baixo perfil, contidos por extensões que alargavam as cavas das rodas, permitiam a utilização de travões de maiores dimensões. A configuração foi revista para funcionar melhor com as novas soluções, e uma grande asa apareceu na traseira do carro. Foi a partir deste mesmo carro, o Countach Wolf, equipado com um motor de 5 litros e 12 cilindros, que o Countach LP 400 S foi desenvolvido no ano seguinte. Todos os modelos Countach subsequentes seriam baseados neste, com a mesma aparência e desempenho até 1990, quando o modelo, que mais fortemente caracterizou a história da Lamborghini, saiu de produção.

Em 1974, com base no Urraco P300, Bertone apresentou o Bravo: a distância entre eixos foi encurtada em 20 cm (na verdade, os dois bancos traseiros estavam ausentes), com linhas mais angulares e extremamente futuristas e rodas “phone dial” que se tornariam uma das características de estilo de assinatura do Countach LP 400 S. O Bravo foi a primeira representação da berlinetta de dois lugares, com um pequeno motor montado na traseira (e não um motor de 12 cilindros) que, a partir do Gallardo (2003) e do Huracán (2014), se tornaria uma parte importante da história da Lamborghini.

Em 1980, nasce o Athon, construído pela Carrozzeria Bertone sob as instruções da Lamborghini, para estudar a viabilidade de uma Silhueta completamente aberta. O estilo, que representa na perfeição o dos automóveis dos anos 80, era tão vanguardista que, com apenas algumas modificações, poderia ser produzido ainda hoje. O conceito “Roadster” da Lamborghini teve origem neste mesmo automóvel.

Em busca de uma “terceira gama”, a Lamborghini sentiu, muito mais cedo do que os outros construtores automóveis, a nova procura do mercado por veículos todo-o-terreno com desempenho desportivo. Para responder a esta procura, foi criado em 1982 o LMA, cujo protótipo viria a ser o LM 002, que entrou em produção em 1986 e que hoje é considerado a mãe do Urus. O LMA tinha uma estrutura tubular, um motor V12 montado à frente e uma velocidade máxima de mais de 200 km/h: tudo características nunca antes vistas num veículo todo-o-terreno.

Em 1985, a Lamborghini começou a fazer experiências com um material recentemente desenvolvido. Uma fibra têxtil feita de fibras de carbono; incrivelmente rígida, robusta e leve. A primeira aplicação foi no Countach Evoluzione, um modelo único baseado na mecânica do Countach Quattrovalvole, mas com a carroçaria feita inteiramente de fibra de carbono. As linhas eram bastante quadradas e quase primitivas; existiam limitações significativas ao trabalho com este material que viria a revolucionar a forma como os automóveis desportivos são construídos, mas a essência estava lá. O Countach Evoluzione pesava menos 400 kg do que o carro de produção Quattrovalvole e era muito rápido. Com este automóvel, nasceu a ligação inquebrável e as capacidades tecnológicas da Lamborghini com a fibra de carbono. Ainda hoje, a Lamborghini mantém uma relação única e de vanguarda com este material, que tem vindo a ganhar cada vez mais popularidade e que, atualmente, constitui também a estrutura de suporte dos automóveis de 12 cilindros produzidos em Sant’Agata Bolognese.

No Salão Automóvel de Turim de 1988, no stand da Carrozzeria Bertone, foi apresentado o Genesis: em busca de uma quarta gama, a Lamborghini estudou a possibilidade de um monovolume de 12 cilindros com o motor na posição longitudinal dianteira. As portas dianteiras e a parte correspondente do tejadilho tinham uma abertura em asa e o desempenho era, para o tipo de carro, extraordinário. No entanto, os recursos para o desenvolvimento de novos modelos eram limitados e, sobretudo, direccionados para o desenvolvimento do que viria a ser o novo GT de 12 cilindros.

Com o nome de código P132, o carro que se estreou em 1990 com o nome Diablo começou em 1985, com pesquisas de design encomendadas a vários designers. A mecânica, por outro lado, já tinha sido decidida e tinha de ser uma evolução direta do Countach. Após cinco anos de trabalho e afinações, o Diablo estava pronto para surpreender o mundo. A missão de substituir um automóvel tão lendário como o Countach era uma grande responsabilidade que o Diablo assumiu com excelentes resultados. Hoje, mais de 30 anos depois, o Diablo goza do mesmo amor e atenção dos coleccionadores que o Countach. O Diablo Roadster foi desenvolvido em 1992, antecipando o design dos superdesportivos de 12 cilindros com capota aberta produzidos em Sant’Agata Bolognese; o Canto fabricado pela Carrozzeria Zagato em 1996 e que esteve muito perto de se tornar um automóvel de produção, e o Raptor, novamente construído pela Zagato, com a abertura frontal das suas portas articuladas e do tejadilho ao mesmo tempo. A estes juntam-se o Pregunta, realizado em 1998 pela Heuliez com grandes entradas de ar laterais posicionadas na parte inferior e um estilo super moderno, e o L147 do Instituto I.D.E.A. em 1999.

O projeto P140, destinado a criar um superdesportivo com motor V8 ou V10, conduziu à criação do Gallardo em 1987 e ao reforço da segunda gama como pedra angular do sucesso comercial da Lamborghini. A possibilidade de utilizar diferentes motores e diferentes opções estilísticas foi considerada, tendo a resposta certa sido encontrada no Calà desenhado por Giorgetto Giugiaro em 1995, apresentado no Salão Automóvel de Genebra. Os volumes e as proporções são os do Gallardo, enquanto as linhas arredondadas se tornariam mais nítidas, em linha com o estilo típico da Lamborghini. Foi também projectada uma versão aberta do Calà, mostrando a intenção da Lamborghini de disponibilizar a sua berlinetta também numa versão roadster.

O Concept S de 2005 foi o trabalho de Luc Donckerwolke, o Diretor do Lamborghini Centro Stile na altura. O carro, baseado no Gallardo, era completamente aberto, caracterizado pelo cockpit intersectado por uma peça transversal longitudinal que separa os bancos, e por uma aerodinâmica particularmente refinada, reforçada por um estudo cuidadoso dos fluxos que passam sob o carro e aproveitados para um melhor comportamento dinâmico.

O Miura Concept 2006, criado por Walter de Silva, o então Diretor de Design do Grupo Audi, foi um claro renascimento em forma moderna do Miura dos anos 60 e 70 que, em 2006, celebrou 40 anos desde o seu lançamento. Continuou a ser um exercício de design mas, em termos de pureza de forma e linhas limpas, continua a ser um exemplo a seguir até aos dias de hoje.

Em 2007, foi desenvolvido o Reventón, com apenas 20 unidades produzidas e baseado no Murciélago LP 640. O Reventón era um automóvel de estrada levado ao limite, com um design composto por formas muito definidas e angulares. A carroçaria era feita de CFC e fibra de carbono, com os painéis ligados a uma estrutura de CFC e aço. Os faróis dianteiros bi-Xénon incorporavam díodos emissores de luz e os faróis traseiros eram de LED, criando uma forma de seta quando ligados. Muitas destas soluções viriam mais tarde a ser utilizadas nos automóveis de produção da Lamborghini. Em 2009, foi também desenvolvida uma versão de capota aberta, tendo sido produzidas 16 unidades.

O Estoque 2008 foi o primeiro estudo de “quarta gama” para um Lamborghini de quatro portas com carácter de carro desportivo. Apresentado no Salão Automóvel de Paris, foi desde o primeiro momento um verdadeiro Lamborghini, mas com o motor na posição central dianteira.

O Sesto Elemento 2010 era um demonstrador de tecnologia baseado na mecânica do Gallardo, com uma estrutura espacial em alumínio e fibra de carbono. Todos os painéis da carroçaria, bem como os principais componentes, incluindo os elementos estruturais dos interiores, foram feitos em fibra de carbono, com o objetivo de reduzir o peso. O resultado foi um peso total de 999 kg, com uma relação peso/potência de 1,75 kg/CV. O Sesto Elemento confirmou mais uma vez a posição da Lamborghini como empresa de vanguarda na produção e utilização da fibra de carbono.

O Aventador J, a versão barchetta do Aventador, foi apresentado no Salão Automóvel de Genebra em 2012. Não tinha para-brisas, janelas laterais ou capota e adoptou o conceito dos regulamentos do Apêndice J para carros de turismo. Era, para todos os efeitos, um carro de corrida do tipo barchetta.

Também em 2012, no Salão Automóvel de Pequim, a Lamborghini apresentou o protótipo do Urus, o Super SUV destinado a dar origem em 2018 à sua terceira gama, ou a continuá-la se considerarmos também o LM 002. De acordo com a tradição da Lamborghini, o protótipo antecipou as principais características estilísticas e técnicas do modelo que iria entrar em produção sem, no entanto, revelar todas as eventuais soluções.

Em 2013, o Veneno celebrou os 50 anos da Lamborghini, com quatro unidades produzidas na versão coupé e nove na versão roadster. Baseado no Aventador, era capaz de atingir 355 km/h (220 mph) e tinha uma aerodinâmica cuidadosamente concebida que proporcionava uma extraordinária aderência lateral. A estrutura monocoque era inteiramente feita de CFRP, um material de fibra de carbono também utilizado para os painéis da carroçaria. Para o interior foram utilizados Forged Composites e Carbonskin, materiais muito leves que viriam a ser utilizados nos superdesportivos seguintes. Também em 2013, uma unidade única do Egoista, desenhada por Walter de Silva e claramente inspirada na forma de um caça militar, foi apresentada durante um jantar de celebração dos primeiros 50 anos da empresa.

Em 2014, foi apresentado o Asterion LPI-910, desenhado por Filippo Perini, na altura Diretor da Lamborghini Centro Stile. Tratava-se de um protótipo de coupé híbrido (onde LPI significa Longitudinale Posteriore Ibrido) com 910 CV obtidos através da combinação do motor de combustão e dos motores eléctricos. Foi o primeiro automóvel híbrido proposto pela Lamborghini, apresentando uma série de conceitos técnicos que foram aplicados ao Revuelto recentemente apresentado.

Para celebrar os 100 anos do nascimento de Ferruccio Lamborghini, foi apresentado em 2016 o Centenario, baseado no Aventador; foram produzidas 20 unidades da versão coupé e 20 unidades do roadster. A sua forma foi tornada mais suave e contava com um motor 770 CV mais potente, entradas de ar no capot dianteiro que criavam uma maior força descendente e uma estrutura monocoque em fibra de carbono.

Em 2018, a Lamborghini Squadra Corse apresentou o SC18 Alston, um exemplar único produzido para um cliente fiel com base no Aventador SVJ. O SC18 foi aprovado para uso em estrada, mas concebido principalmente para uso em pista, com aerodinâmica revista e melhor refrigeração dos travões e do motor, com um motor de 6,5 litros e 12 cilindros.

O Sián 2019 foi o primeiro Lamborghini híbrido disponibilizado aos clientes: foram construídas 63 unidades na versão coupé e 19 roadsters, tendo sido desenvolvido com base no Aventador SVJ com motor de 6,5 litros e 12 cilindros, equipado com válvulas de admissão em titânio, unidade de controlo reconfigurada e novo sistema de escape, debitando 785 CV acoplado a um motor elétrico capaz de debitar mais 34 CV. A potência total de 819 CV faz do Sián o Lamborghini de produção mais potente alguma vez produzido até à data. O motor elétrico é alimentado por um supercapacitor capaz de libertar instantaneamente a sua potência, uma novidade na indústria automóvel.

O Essenza SCV 12, em que SC significa Squadra Corse, foi baseado no Aventador, com apenas 40 unidades produzidas a partir de 2020, não aprovado para utilização em estrada. Foi o primeiro GT concebido para passar os testes de colisão normalmente reservados aos carros de competição e, graças à carroçaria em fibra de carbono muito resistente, deixou de ser necessário um roll-bar. Possui faróis LED numa posição mais baixa e um difusor marcante na traseira, caracterizado pelo seu atraente spoiler ajustável. Mais longo e mais afilado que o Aventador, caracteriza-se pela entrada de ar que parte do tejadilho e se estende por todo o capot do motor. A aerodinâmica, desenvolvida em colaboração com a Dallara, garante 1200 kg de força descendente a 250 km/h (155 mph). O motor, rodado a 180° em relação ao Aventador, é um V12 aspirado de 6,5 litros que debita 830 CV e com tração apenas traseira.

Também em 2020, a Lamborghini Squadra Corse criou o SC20, um open top único, baseado no Aventador, que incorpora o mesmo conceito básico do SC18: aprovado para uso em estrada, mas projetado para ser usado principalmente na pista. Completamente aberta, foi criada com um design aerodinâmico pormenorizado, garantindo o perfeito aproveitamento dos fluxos de ar em redor do automóvel. O spoiler traseiro é ajustável, com três posições possíveis: Baixa, Média e Alta Carga.

Em 2021, foi apresentado o Countach LPI 800-4, baseado na mecânica do Sián. Criado para celebrar o 50º aniversário do Countach, no qual se inspira estilisticamente, foram produzidas 112 unidades do LPI 800-4, sendo 112 o número atribuído ao projeto Countach na década de 1970. Tem um apelo especial criado pela utilização inteligente da inovação e dos toques retro de Mitja Borkert, a atual Directora da Lamborghini Centro Stile. Todas as unidades produzidas foram vendidas antes da apresentação oficial do modelo.

Finalmente, em 2023, a Automobili Lamborghini criou dois modelos únicos para celebrar o motor V12, que chegou ao fim da sua vida na versão não híbrida. Ambos os modelos são baseados no Aventador SVJ, com um motor V12 de 780 CV: o Invencible berlinetta e o Auténtica roadster são a expressão máxima dos superdesportivos no seu estilo mais puro. Inspirados, em alguns aspectos, por outras séries limitadas do passado, como o Sesto Elemento, o Reventón e o Veneno, têm interiores mais simples e aerodinâmicos, com menos distracções para o condutor, que fica a experimentar as sensações mais puras que o V12 pode proporcionar. Estes dois carros únicos têm ambos uma estrutura monocoque em fibra de carbono e uma carroçaria totalmente em carbono, replicando designs e soluções técnicas que foram testados com sucesso em competições.

Esta extraordinária tradição continuará nas próximas semanas, quando for apresentado nos Estados Unidos o primeiro protótipo do “quarto modelo”: o Lamborghini totalmente elétrico que, seguindo as linhas traçadas no programa “Direzione Cor Tauri” 2021, deverá entrar em produção no final da década.

Sérgio Gonçalves

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.