50% DOS PORTUGUESES AFIRMAM QUE PRÓXIMO CARRO SERÁ HÍBRIDO/ELÉCTRICO

Published On 26 de Maio de 2022 | Notícias

Um em cada dois consumidores afirma que o seu próximo carro será híbrido ou eléctrico. Nove em cada 10 estão dispostos a pagar, no máximo, 35 mil euros por uma viatura eléctrica. A totalidade dos consumidores incluídos na amostra, por sua vez, está disposta a pagar um acréscimo de preço para poder usufruir de tecnologia adicional (conectividade, condução autónoma e entretenimento). Estas são apenas algumas das conclusões que integram o estudo “As redes de retalho automóvel em Portugal – O presente e o futuro do sector”, que a ACAP – Associação Automóvel de Portugal apresenta hoje, 26 de Maio, em Lisboa.

Os dados, obtidos no âmbito de um inquérito realizado junto dos consumidores nacionais – e elaborado por uma equipa de investigadores do ISEG – Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa –, revelam que a aposta em soluções de mobilidade mais verde e em tecnologia são cada vez mais uma tendência à qual as marcas e concessionários não poderão ficar indiferentes.

Ainda relativamente à tendência de electrificação, os dados do estudo revelam que, num cenário mais favorável à electrificação, o parque automóvel de veículos de passageiros ligeiros deverá, em 2025, ser composto por 12,6 por cento de veículos eléctricos e híbridos e por 87,4 por cento de veículos movidos a gasolina e a gasóleo. Apesar da tendência crescente, e de os veículos híbridos e eléctricos representarem mais de 50 por cento das vendas de novos veículos ligeiros de passageiros em 2025, a substituição do parque automóvel far-se-á a um ritmo muito lento. Refira-se, aqui, que as vendas anuais rondam as 200 mil viaturas, mas a dimensão do parque já ultrapassa os 5,2 milhões de viaturas. Neste ponto, é importante focar que a idade média do parque de veículos ligeiros de passageiros, em Portugal, já em 2020 se situava em 12,8 anos, muito acima dos números da média europeia ou da Áustria e Reino Unido (que ronda os oito anos).

Mudança de paradigma inverte estratégia das marcas no digital

No que se refere às principais tendências futuras do consumidor português na aquisição e utilização dos produtos e serviços automóveis, as conclusões revelam que 60 por cento dos inquiridos está a considerar comprar um veículo nos próximos cinco anos e que, no processo de compra, 40 por cento aposta numa combinação online/presencial. 60 por cento refere que prefere comprar virtualmente a um concessionário autorizado da marca e 30 por cento directamente no site do fabricante. A expressão crescente da digitalização neste sector está já a alterar o modelo de funcionamento das marcas a operar em Portugal, que revelam, neste inquérito, a intenção de investir na digitalização dos processos, em lojas online e, também, em novos conceitos de retalho.

As marcas e concessionários terão, agora e mais do que nunca, de investir quer numa mudança de paradigma na forma como estão estruturados – e como actuam – quer na formação dos seus recursos humanos, que terão de estar preparados para dar resposta às megatendências do sector automóvel para 2025, que colocam em destaque a conectividade e a digitalização, a electrificação, a mobilidade, a transformação ágil e o foco no cliente.

Sector do comércio automóvel: Impacto da pandemia

Nas duas últimas décadas, o volume de negócios do sector do comércio automóvel registou grandes oscilações, explicadas pela evolução do contexto económico internacional. É o caso da pandemia, que originou uma quebra considerável do volume de negócios no sector. Utilizando o modelo input-output para a economia portuguesa, pode concluir-se que a quebra na procura final dirigida ao sector do retalho automóvel ultrapassou os 3.500 milhões de euros. O valor da produção de todos os sectores reduziu-se em mais de 5.500 milhões de euros, o VAB (ou seja, o impacto no PIB) diminuiu quase 2.500 milhões de euros e a receita fiscal sofreu uma diminuição de 16 milhões de euros, em resultado da diminuição do IVA.

Onde se posiciona Portugal em relação a Espanha e Reino Unido?

O estudo “As redes de retalho automóvel em Portugal – O presente e o futuro do sector” integra, ainda, uma completa análise estratégica da situação actual do sector em países como Espanha, Reino Unido e Áustria. Ao analisar a questão da fiscalidade, por exemplo, Portugal é – comparativamente a Espanha e Reino Unido – o país com maiores encargos no registo automóvel ou no que se refere ao total de impostos indirectos no primeiro ano de consumo automóvel.

O documento incorpora, ainda, um plano estratégico para a competitividade do sector numa nova conjuntura e detalha como deverá ser realizado o ajustamento interno ao novo contexto e o que deve ser proposto ao Estado português. As principais necessidades passam, desde logo, pelo investimento na transformação de informação em conhecimento (big data ou data analytics) e pela adoção de metodologias ágeis para melhoria dos processos, para potenciar a inovação e para reduzir desperdícios. Alargar a oferta de serviços de mobilidade, investir em tecnologia que permita aproveitar o potencial das áreas de serviço e peças, investir na requalificação das equipas para responder aos desafios digitais e, ainda, contratar talento – com destaque para três competências: digitais, análise de dados e transformação organizacional – estão, também, na lista de prioridades deste contexto de transformação e reajustamento.

O estudo contempla, ainda, e em função da evolução do sector e dos desafios que se perfilam, um conjunto de medidas no domínio fiscal, de incentivos estatais, da desburocratização dos procedimentos e da legislação laboral, como a alteração do modelo de transferência da carga fiscal, do momento da aquisição para o momento da circulação, a eliminação da dupla tributação (do IVA sobre o ISV) ou o impacto da pós-descarbonização na tributação automóvel. Destaque, ainda, para a recomendação que propõe que as alterações fiscais relativas às reformas dos incentivos à electrificação passem, como acontece em Espanha, por uma forte expressão dos investimentos no sector, com apoio do Fundo Ambiental.

Um sector estratégico para a economia portuguesa

O sector automóvel agrega cerca de 32.900 empresas e apresenta, em Portugal, um volume de negócios significativo – equivalente a 7,9 por cento da facturação total das empresas – e um cariz fortemente exportador, ao representar 14 por cento das exportações nacionais. Além disso, o sector emprega mais de 160 mil trabalhadores, que se destacam pela sua qualificação, com acesso a formação profissional contínua e substancialmente acima da média portuguesa.

As conclusões do estudo “As redes de retalho automóvel em Portugal – O presente e o futuro do sector” são apresentadas hoje, 26 de Maio, em Lisboa, numa conferência que conta com a participação do Professor Doutor Zorro Mendes e da Mestre Rita Alemão, investigadores do ISEG e coordenadores desta análise, António Coutinho (Grupo M Coutinho), Pablo Puey (CEO da Stellantis Portugal) e Helder Pedro (ACAP).

Sérgio Gonçalves

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.