Menu Fechar

Alpine Alpenglow Hy4: um protótipo rolante com um motor de combustão interna a hidrogénio que irá entusiasmar os fãs dos desportos motorizados

Sob os holofotes do Salão Automóvel de Paris de 2022, a Alpine apresentou o seu concept Alpenglow, um verdadeiro manifesto das orientações futuras da marca em matéria de design e de inovação sustentável, a “mãe de todos os futuros Alpines”. Este modelo fundador encarnava a investigação em curso da marca sobre os motores de combustão a hidrogénio para automóveis desportivos, com potencial para um elevado desempenho tanto em estrada como em competição, em linha com os ambiciosos objectivos de descarbonização da marca. A Alpine está, por conseguinte, preparada para possíveis alterações nos regulamentos futuros.

Atualmente, o Alpine Alpenglow Hy4 já não é apenas um concept car, tendo-se tornado num verdadeiro laboratório rolante concebido como um carro de competição, com a sua monocoque de carbono e o seu motor turbo de 2,0 litros e 4 cilindros que desenvolve 340 cv.

Após uma apresentação nos limites do circuito, a 10 de maio, o Alpine Alpenglow Hy4 fará a sua estreia pública a 11 de maio de 2024, perante a corrida de resistência TotalEnergies 6 Horas de Spa-Francorchamps (FIA WEC) e os seus mais de 70.000 espectadores. Será a oportunidade perfeita para demonstrar aos entusiastas do desporto automóvel como um motor de combustão interna movido a hidrogénio perpetua os sons e a vibração que são os aspectos emocionais de um carro de corrida. A sensação é intensificada pelo design espetacular do Alpine Alpenglow Hy4, que é ainda mais realçado nesta versão. O Alpine Alpenglow Hy4 também fará corridas de demonstração durante a 92ª edição das 24 Horas de Le Mans, a 14 e 15 de junho de 2024.

O significado do nome Alpenglow adquire o seu sentido absoluto com este laboratório rolante: o fenómeno ótico que lança uma luz brilhante sobre as montanhas antes do nascer do sol simboliza perfeitamente o amanhecer de um novo mundo.

O Alpine Alpenglow é um protótipo seminal para a conceção dos futuros modelos da marca. Muito próximo do conceito de 2022, o laboratório rolante Alpine Alpenglow Hy4 é ainda mais bem proporcionado, a forma seguindo a função, com uma crash box (elemento de absorção da energia de impacto) redesenhada, um interior alargado para acolher dois lugares e uma maior altura, mantendo a localização dos depósitos de hidrogénio ainda situados nas cápsulas laterais e atrás do cockpit. As vias foram alargadas para 2,10 m, para uma largura total de 2,15 m, um comprimento de 5,20 m e uma altura de 1,10 m: proporções ideais. A ligação visual foi assim estabelecida com o Alpine A424 que compete na prestigiada categoria Hypercar do Campeonato do Mundo de Resistência.

A parte dianteira do Alpine Alpenglow, movido a hidrogénio, foi concebida para evocar a sensação de um cometa vindo do espaço, cuja velocidade e penetração na atmosfera são sugeridas pelas partículas de luz “poeira cósmica” dos quatro faróis dianteiros e pelo contorno dorsal de cor magenta. Este último torna-se azul ao chegar à traseira do protótipo, tal como as luzes verticais junto aos tubos de escape verticais em titânio, simbolizando o hidrogénio e o vapor de água que a sua combustão emite.

Os aspectos aerodinâmicos deste protótipo são parte integrante da sua conceção e foram objeto de um diálogo permanente entre o Design e a Engenharia. Num compromisso subtil entre velocidade e força descendente, o splitter dianteiro foi redesenhado, criando uma vasta entrada de ar baixa que flui sobre o cockpit e afunila na traseira como uma gota de água, deixando o ar fluir sob o tablier traseiro. Novas entradas de ar NACA estão integradas para servir os radiadores de óleo e água e o snorkel assume uma forma mais próxima da de um carro de corrida. A traseira de cauda longa faz lembrar o carro de competição Alpine A220 do final da década de 1960. O Alpine Alpenglow Hy4 utiliza o spoiler baixo e transparente visto pela primeira vez no concept car para a sua versão de rolamento movida a hidrogénio. O difusor traseiro foi redesenhado para uma maior eficiência aerodinâmica.

Todos os elementos de design foram pensados ao mais ínfimo pormenor, como as jantes com uma estrutura e uma inclinação que evocam a velocidade mesmo quando paradas, em perfeita harmonia com os pneus personalizados produzidos pela Michelin, cujo grafismo corresponde ao design das jantes. Na carroçaria clássica em carbono, o painel central e o snorkel são concebidos em carbono forjado, revelando a matéria-prima, como uma evocação do mundo mineral das montanhas, um elemento tipicamente alpino. Tal como as partes técnicas expostas e acessíveis ao olhar exterior, uma entrada de ar está aberta para o cockpit, permitindo vislumbrar o ambiente a bordo, realçado por um triângulo de luz que dinamiza ainda mais o estilo do concept.

A cinemática de abertura das portas em forma de elytra foi concebida para libertar o máximo de espaço possível, facilitando o acesso ao cockpit. O condutor e o passageiro podem então deslizar sobre os casulos laterais, que se inclinam em direção ao cockpit, para chegarem aos bancos de balde moldados e perfeitamente ajustados.

O triângulo na frente do cockpit é também uma caraterística típica dos Alpes, evocando as montanhas. Proporciona várias funções visuais ao condutor: um impulso, uma direção e pode mudar de cor como num jogo de vídeo para evocar, por exemplo, o nível dos Gs laterais em tempo real, a velocidade do motor ou para dar informações sobre as velocidades de deslocação.

O painel de bordo apresenta uma travessa tubular magenta, parcialmente escondida por uma secção em forma de asa de avião. Os materiais utilizados remetem para o mundo dos automóveis desportivos, com acabamentos em fibra de carbono, alumínio e Alcantara embelezados com motivos impressos em 3D. Existe também um botão de arranque de cor magenta, botões de controlo retirados do Alpine A110 e um volante de competição proveniente diretamente dos carros de competição da Alpine. Nos flancos, a pele de carbono que cobre os depósitos laterais evidencia a sua forma. Por fim, foram integrados espaços dedicados para a montagem de mini-câmaras de ação para captar o som e as imagens das voltas à pista na versão rolante a hidrogénio do Alpine Alpenglow.

O laboratório rolante Alpine Alpenglow, movido a hidrogénio, foi concebido como um carro de corrida com um chassis de carbono LMP3. Sob o capô de carbono do Alpine Alpenglow Hy4 encontra-se um motor de desenvolvimento de 2,0 litros com 4 cilindros em linha e turbocompressor que debita 340 cv (250 kW). É alimentado a hidrogénio (mais precisamente, H2 dihidrogénio) com injeção direta a 40 bar de pressão e injeção de água para reduzir as emissões de NOx. Pode atingir um máximo de 7.000 rpm e está acoplado a uma caixa de velocidades sequencial de competição com uma embraiagem centrífuga. O desempenho é comparável ao do equivalente a gasolina, com uma velocidade máxima de cerca de 270 km/h.

O desenvolvimento de um motor deste tipo exige um trabalho muito específico, uma vez que o hidrogénio é injetado sob a forma de gás, o que torna mais difícil criar uma mistura homogénea do que a gasolina, que é injectada sob a forma de gotículas. O hidrogénio pode arder numa gama muito mais ampla de concentrações, de 4% a 76%, com misturas pobres e ricas. Em todos os casos, é necessário evitar uma combustão anormal, o que implica a preparação de uma mistura homogénea e o controlo da temperatura na câmara de combustão. O trabalho de adaptação realizado no motor Alpenglow Hy4 contribuiu para enriquecer a experiência dos engenheiros da Alpine Racing no desenvolvimento de um novo motor Alpine inteiramente concebido para ser alimentado a hidrogénio, com a apresentação de uma segunda versão rolante antes do final de 2024.

Os três depósitos Alpenglow Hy4 armazenam hidrogénio sob a forma de gás (2,1 kg cada) a alta pressão: 700 bar. Estão situados nos casulos laterais e à popa do cockpit, em compartimentos ventilados e isolados do interior. Um regulador de pressão reduz a pressão de 700 para 200 bar antes de a baixar para 40 bar com injeção direta na câmara de combustão.

Foram adoptadas numerosas medidas para garantir uma segurança absoluta. Os cilindros compostos com pressão inferior a 700 bar são certificados pelo “Regulamento 134″*, estão instaladas válvulas para uma evacuação rápida em caso de incêndio, os sensores de presença de hidrogénio estão permanentemente vigilantes, existe um procedimento de arranque rigoroso com numerosas verificações. Por último, um sistema de código de cores alerta o condutor e os serviços de emergência em função do grau de urgência de cada tipo de incidente.

*Regulamento 134: Norma europeia de homologação para a segurança dos veículos movidos a hidrogénio.

As duas principais soluções de propulsão a hidrogénio são a pilha de combustível (que produz eletricidade para alimentar um motor elétrico) e o motor de combustão interna alimentado diretamente a hidrogénio. A Alpine optou por este último, pois reúne uma série de vantagens para um automóvel de competição, nomeadamente a sensação muito semelhante do motor para o condutor e uma sonoridade ideal para a filosofia de corrida da Alpine. Entre estas vantagens, destacam-se a potência específica, o excelente rendimento sob cargas pesadas e a redução das necessidades de arrefecimento, uma vez que o calor é dissipado pelo escape e não pelos radiadores. Os aspectos ambientais são também naturalmente muito favoráveis: as suas emissões de CO2 são negligenciáveis, não produz fuligem, CO ou hidrocarbonetos não queimados, e as emissões de NOx podem ser reduzidas a níveis inatingíveis para os motores a combustível fóssil.

Estes argumentos favorecem a continuação desta via após esta primeira versão, que continua a ser objeto de investigação e desenvolvimento para otimizar ainda mais este tipo de motor promissor. No que diz respeito às soluções de armazenamento de hidrogénio, a Alpine é um dos principais construtores com vista à passagem para o hidrogénio líquido, um estado da arte que muda de paradigma, que pode ser melhor integrado no automóvel e reabastecido rapidamente.

A Alpine Racing está atenta às mudanças nos regulamentos da competição e observa que o ACO autorizará carros movidos a hidrogénio a partir das 24 Horas de Le Mans de 2027. Os motores da Fórmula 1 também poderão passar a ser a hidrogénio até 2031.

O piloto ao volante do Alpine Alpenglow Hy4 nas suas primeiras voltas em pista em Spa-Francorchamps tem um perfil único: O belga Guillaume De Ridder é simultaneamente campeão de rallycross e engenheiro da Alpine Racing. Uma carreira atípica que começou com anos de automobilismo numa vasta gama de disciplinas: karting, corridas de circuito e ralis, culminando com o título de rallycross FIA RX2e de 2021.

Sérgio Gonçalves

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.