Ano horrível no sector automóvel causa o encerramento de 2500 empresas

Published On 5 de Janeiro de 2013 | Geral

vendas-automoveis

O ano de 2012 não foi um bom ano para o sector automóvel. E se não se vendem automóveis, obviamente que muitas das empresas acabam por fechar, e foi isso mesmo que aconteceu no ano transacto. Segundo o secretário-geral da Associação Automóvel de Portugal (ACAP) encerraram cerca de 2.500 empresas neste sector em 2012. Esses encerramentos correspondem a despedimentos na ordem das 21 mil pessoas.

Como já tínhamos noticiado aqui no Autoblog.pt, a mesma associação anunciou que as vendas de automóveis tinham caído para valores idênticos aos de 1985. Pois fecharem o ano de 2012 com “apenas” 95.290 automóveis ligeiros de passageiros colocados no mercado. E das 2500 empresas que fecharam portas em 2012, fazem parte deste lote oficinas de reparação, concessionários e a própria produção de automóveis.

Os dados cedidos pela Associação Automóvel de Portugal (ACAP) revelam que em 2011 e 2012 o mercado automóvel nacional teve perdas no volume de vendas na ordem dos 128 mil automóveis novos.

Outros dados e informações revelados pelo Instituto Nacional de Estatística também mostram outros cenários negros. No caso concreto da importação de automóveis e dos seus respectivos componentes, os mesmos tiveram com uma quebra de 1,2 mil milhões (-27%) de euros no período compreendido entre Janeiro e Setembro, quando comparado ao mesmo período do ano passado.

O INE também faz referência, a que no período em análise, as importações de automóveis passaram de 4.331 milhões de euros em 2011 para 3.139 milhões de euros até Setembro de 2012.

Por exemplo, a compra de automóveis aos dois principais mercados, especificamente a Alemanha e a França, caíram cerca de 28,3% entre Janeiro e Setembro para os 1.541 milhões de euros, ou seja menos 607 milhões do que em 2011.

Mas o país mais penalizado acabou mesmo por ser a Alemanha, com as importações a diminuírem 422 milhões de euros. A França apesar de tudo não teve um registo tão negativo, ainda assim os números são expressivos, pois revelam uma queda na ordem dos 185 milhões de euros.

Sérgio Gonçalves
Latest posts by Sérgio Gonçalves (see all)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.