Bentley

Published On 9 de Outubro de 2012 | carros e marcas

O inglês Walter Bentley é o responsável pelo nascimento de uma das mais luxuosas e exclusivas marcas de automóveis do mundo. Bentley era um engenheiro com uma paixão enorme pela velocidade. Em 1905, ainda na adolescência, com 16 anos, arranjou trabalho na divisão de locomotivas da companhia ferroviária britânica Great Northern Railway. Experiência de trabalho que seria útil, e os primeiros passos na sua carreira. Obviamente que foi com os automóveis que W.O. Bentley (Walter Owen Bentley), como era conhecido, se tornaria famoso mundialmente.

A sua epopeia começou no ano de 1912, quando a sua família iniciou a importação de automóveis desportivos da francesa DFP. Foi justamente numa visita à fábrica da DFP que Bentley teve uma ideia brilhante e revolucionária. Ao observar um peso de papel feito em alumínio, pensou em desenvolver êmbolos desse material, para substituir os que eram feitos de ferro fundido. A inovação de Bentley foi posteriormente aplicada a motores radiais rotativos, usados em aviões da Primeira Guerra Mundial e, mais tarde, aplicado aos automóveis.

A emblemática Bentley Motors foi fundada somente no ano de 1919, na cidade de Londres. A empresa deu os seus primeiros passos com a parceria de W.O. e o seu irmão Henry. Logo no seu primeiro ano produziu dois protótipos; o EXP 1 e o EXP 2.

Foram esses protótipos que deram depois lugar ao primeiro modelo oficial da marca, a ser construído, o lendário 3-Litre, lançado em 1921. Os protótipos revolucionaram o mercado porque usavam um motor de 4 cilindros e 16 válvulas, único para época com êmbolos de alumínio.

Volvidos 2 anos, o EXP 2 conquistou a primeira vitória da BENTLEY em competições desportivas, numa prova em Brooklands. Esses automóveis desportivos atingiam velocidades de 160 km/h, e para parar toda essa velocidade, Bentley colocou travões em todas as quatro rodas, que era uma grande inovação para a época. Este lendário modelo ainda existe e pertence à fábrica. O EXP 1 porém foi destruído num acidente nos anos 20.

Com o Bentley 3-Litre deu início à sua longa história de sucesso em provas de automobilismo, com o clássico símbolo do “B” em todos os modelos. Ettore Bugatti, que não altura já era um famoso fabricante de carros desportivos, respeitou sempre o seu aguerrido adversário, não invalidando ainda umas ligeiras provocações onde que apelidou o 3-Litre de ser “a carroça mais rápida do mundo”. A consagração de Bentley só chegou em 1924, com a primeira vitória nas 24 horas de Le Mans.

Em 1925, Bentley anunciou o lançamento de um novo carro: o 6 ½-Litre. Bentley fez modificações no antigo bloco do modelo 3-Litre e transformou-o num 6-cilindros, mantendo as 4 válvulas com comando na cabeça. Esse motor tinha praticamente 1.1 litro por cada cilindro. A sua potência era de mais de 200 cavalos.

Porém mais tarde, em 1928 uma versão desportiva viria a conhecer a luz do dia. Esse modelo era o Speed Six, que se tornou no Bentley com maior sucesso nas pistas de corrida.

A marca Bentley viria a tornar-se muito famosa pelas quatro vitórias consecutivas nas 24h de Le Mans no período compreendido de 1927 a 1930. Nesta época o seu maior rival era a Bugatti, cujo peso e elegância, mas também uma notória fragilidade contrastavam com a robustez e durabilidade dos modelos da Bentley.

Com a Grande Depressão, em 1931 a Rolls-Royce comprou a Bentley, uma empresa que se destacava pela qualidade e potência de seus automóveis. Por muitos anos ambas as marcas fabricaram automóveis exclusivos, luxuosos e que se tornaram objectos de desejo e valor, como o Bentley Mark VI, Continental R e o Bentley T Series.

Os automóveis Bentley ganharam fama pelas suas competências desportivas e a sua produção e construção totalmente artesanal. Desde a mudança para a fábrica de Crewe, em 1946, a Bentley criou uma extensa linha de automóveis desportivos com uma elevada e inigualável qualidade.

A Rolls-Royce comandou os destinos da fábrica até 1998, quando ambas foram compradas pela Volkswagen. Numa manobra comercial em que venceu a BMW, que fornecia motores para as marcas e detinha a licença de uso da marca Rolls-Royce. As empresas alemãs entraram em acordo e, a partir de 2002, a VW ficou com a Bentley, entregando a Rolls-Royce à BMW. Já sob o comando da Volkswagen, a Bentley voltou a correr em Le Mans após 71 anos de ausência. Foi em 2001, com o EXP Speed 8, uma versão com outra carroçaria do Audi R8, vencedor da prova nas três edições anteriores.

E a marca de W.O. Bentley se consagraria novamente, levando o lendário “B” alado e o bravo histórico de seus “Bentley Boys” ao primeiro lugar em 2003. Neste mesmo ano foi lançado o Bentley Continental GT, um Grand Tourer de duas portas com capacidade para 4 passageiros que viria a substituir os modelos Continental R e T, este último lançado em 1997.

A partir desta época a procura de automóveis BENTLEY aumentou de tal modo que os clientes chegaram a esperar um ano para que o seu carro fosse entregue. Em 2006, ano em que comemorou os 60 anos de actividade da fábrica de Crewe, a BENTLEY introduziu o Continental GT Diamond Series, uma série especial limitada a 400 unidades.

Neste mesmo ano estreou no mercado o Bentley Continental GTC, a versão descapotável do famoso modelo Continental. Sob o comando da VW a empresa vive os seus melhores anos com as vendas em altas: Em 200 a comercializou 7.600 unidades, contra 10.014 unidades (um recorde em sua história) em 2007, 9.000 em 2006, 8.500 automóveis em 2005, 6.500 em 2004 e apenas 1.000 no ano de 2003.

Sérgio Gonçalves

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.