Menu Fechar

Bruno Senna presta homenagem à icónica volta de abertura do Grande Prémio da Europa de 1993, realizada pelo seu tio Ayrton Senna em Donington Park, com um McLaren Senna

O nome Senna regressou a Donington Park como um dos momentos marcantes da McLaren para comemorar o legado de Ayrton Senna, 30 anos após a última corrida do lendário piloto de Fórmula 1, em maio de 1994.

Reflectindo sobre a incrível performance de Ayrton Senna no Grande Prémio da Europa de 1993 no circuito de Leicestershire, Reino Unido, o sobrinho de Ayrton, Bruno Senna, foi para a pista num hipercarro McLaren Senna em homenagem à condução épica do seu tio.

Realizada a 11 de abril de 1993, a corrida de Donington Park ficou para sempre na memória não só por ter sido palco de uma das vitórias mais conseguidas de Ayrton Senna, mas também por ser considerada uma das melhores voltas da história da Fórmula 1.

Ao volante do McLaren MP4/8 nas condições cada vez mais húmidas em que a sua reputação de piloto especial foi forjada, Ayrton Senna passou da quinta para a primeira posição na primeira volta. Recuperando de uma má saída da linha de partida com um talento excecional e as capacidades de condução instintivas de Senna, o piloto brasileiro saiu da linha de corrida convencional em alguns pontos para ultrapassar campeões mundiais existentes e futuros num estilo incrível, com passagens individuais em diferentes partes do circuito de 2,5 milhas. Esta façanha, uma das performances mais imperiosas de Senna, ficou conhecida como a “Volta dos Deuses”.

Esta icónica primeira volta ao circuito foi o início de um desempenho dominante na corrida que viu Senna vencer com mais de 1 minuto e 23 segundos de vantagem, ultrapassando todos os pilotos, exceto o segundo classificado, para registar a maior margem de vitória que alcançou na sua carreira na Fórmula 1.

A história da corrida entre os fãs da Fórmula 1 e de Ayrton Senna também se estende ao troféu de vencedor não convencional*, que foi levantado pelo vitorioso e jubiloso Senna no pódio.

A corrida de Donington Park foi o tipo exato de desempenho que cimentou o legado de Ayrton Senna como um piloto com capacidades notáveis que conseguia ultrapassar os melhores da competição, através de um empenho total em extrair o máximo do seu talento e do seu carro, uma e outra vez – um ethos que a McLaren continua a inspirar três décadas depois.

Em homenagem à famosa exibição, Bruno Senna foi para a pista no hipercarro McLaren que leva o nome Senna e canaliza essa dedicação total ao desempenho na pista: o McLaren Senna.

O McLaren Senna é o McLaren de estrada mais extremo alguma vez construído e o mais orientado para a pista dos carros McLaren Ultimate. Destaca-se não só pelo seu incrível nível de desempenho, mas pela sua capacidade de criar uma ligação inata entre o carro e o condutor, totalmente apropriada num carro inspirado no estilo de condução de Ayrton Senna.

“Ayrton, naquela primeira volta em Donington Park, em 1993, estava noutro planeta, noutra dimensão em relação a todos estes diferentes pilotos de elite. Foi um feito incrível fazer uma volta daquelas em condições tão difíceis e complicadas e contra carros mais competitivos. Para mim, é uma daquelas corridas que não se pode esquecer, como Portugal 1985 e Brasil 1991.

“Donington é uma das pistas mais divertidas e é claro que o tempo pode ter um papel importante, mas hoje foi muito diferente da corrida de 1993! Num carro de alta downforce e super leve como o McLaren Senna, sentimos realmente o incrível fluxo e a mudança de elevação – e, claro, a velocidade!

“Os nomes McLaren e Senna estão tão fortemente entrelaçados. Ter este trabalho em conjunto para lançar o McLaren Senna, um carro que teria deixado Ayrton extremamente orgulhoso, é uma grande conquista.”
Bruno Senna, sobrinho de Ayrton Senna e antigo piloto de Fórmula 1

Com um peso seco mais leve de 1.198 kg, possibilitado pelo seu chassis e painéis da carroçaria Monocage III em fibra de carbono, em combinação com a potência de 800 cv do seu motor V8 twin-turbo de 4,0 litros, o McLaren Senna tem uma relação peso-potência de uns espantosos 668 cv por tonelada (659 cv). O pacote aerodinâmico extremo do carro Ultimate mais orientado para a pista da McLaren inclui elementos activos à frente e atrás, capazes de gerar até 800 kg de força descendente, enquanto os travões derivados de desportos motorizados proporcionam uma potência de travagem sem precedentes: a travagem de 200 km/h (124 mph) até à imobilização é conseguida em apenas 100 metros.

Sérgio Gonçalves

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.