Menu Fechar

Factos sobre os travões Brembo de Fórmula 1 para o Grande Prémio da Holanda

Os engenheiros da Brembo oferecem um guia de travagem para o Grande Prémio Holandês Heineken de Fórmula 1 deste fim de semana, que decorrerá no Circuito de Zandvoort, de 25 a 27 de agosto.

Reenergizada após a pausa de verão, a Fórmula 1 arranca novamente na Holanda, onde a maré laranja se repetirá nas bancadas, como testemunharam mais de 300.000 espectadores no ano passado. Segundo os técnicos da Brembo, anfitriã da corrida, o circuito de Zandvoort é um dos circuitos menos exigentes para o sistema de travagem.

Numa escala de 1 a 5, é classificado como 2 no índice de dificuldade. Uma das suas características distintivas são as curvas 3 e 14 com uma inclinação de cerca de 19 graus, mais do dobro das curvas de Indianápolis. Isto tem um efeito significativo na configuração dos monolugares, o que também afecta os travões.

Nos primeiros 12 GPs da temporada, Max Verstappen marcou 314 pontos de um máximo de 336, o equivalente a 93,45%. Apenas Alberto Ascari em 1952 e 1953 e Jim Clark em 1963 e 1965 conseguiram terminar um ano na Fórmula 1 com uma percentagem mais elevada e apenas devido ao formato de qualificação com sistema de eliminação em vigor na altura.

Nos campeonatos sem eliminação, Michael Schumacher detém o recorde e, em 2002, num Ferrari com sistema de travões Brembo, obteve 144 pontos em 170, o equivalente a 84,71%. Na altura, os discos de travão de carbono tinham apenas 72 orifícios de ventilação, todos dispostos numa fila com um diâmetro de 10 mm, em comparação com os mais de 1000 orifícios com um diâmetro de 3 mm dos monolugares actuais.

Seis curvas seguidas onde os travões são utilizados
Os pilotos de Fórmula 1 utilizam os travões em 9 das 14 curvas da pista holandesa: da Curva 8 à Curva 13, os travões são vitais, enquanto que da Curva 4 à Curva 7, nunca são utilizados. Numa volta, os pilotos utilizam os travões durante um total de 11,3 segundos, o que equivale a 16% de toda a corrida de GP.

A extrema suavidade da pista é confirmada pela presença de apenas uma curva onde a travagem dura mais de 2 segundos e apenas quatro curvas com uma distância de paragem de apenas 55 metros (180,4 pés). Três momentos de travagem, por outro lado, exigem uma carga no pedal do travão superior a 100 kg e, no entanto, desde o início até ao fim, cada piloto exerce uma força de 61,5 toneladas métricas, quase o mesmo que o GP da Áustria.

191 km/h (118,6 mph) a menos com 141 kg (310,9 lbs.) de carga
Das nove secções de travagem do GP da Holanda, duas são classificadas como altamente exigentes para os travões, três são de dificuldade média e as restantes quatro são ligeiras.

A travagem mais difícil é na primeira curva porque os carros saem de uma reta de 1,1 km (0,69 milhas) sem travagem na última curva. Os monolugares carregam nos travões a 310 km/h (192 mph) e descem para 118 km/h (73 mph) em apenas 119 metros (390,4 pés).

Para tal, os condutores travam durante 2,28 segundos, aplicando uma carga de 141 kg (310,9 lbs.) no pedal do travão e experimentando 4,7 G de desaceleração.

E os jogos de vídeo?
Enfrentar a Curva 1 do Circuito de Zandvoort no videojogo de Fórmula 1 é bastante fácil: começa a travar assim que passares o sinal dos 100 metros.

Passa para a terceira velocidade e, gradualmente, passa para o lado de dentro, de modo a tocar na berma sem subir para cima dela.

Uma vez que se trata de uma curva fechada, não é necessário abrir imediatamente o acelerador, mas sim esperar alguns segundos e descarregar o binário de travagem à saída da curva.

Sérgio Gonçalves

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.