Honda – alternativa ao automóvel por menos de 3500 euros

Published On 8 de Março de 2022 | Motos

Vivemos tempos muito difíceis do ponto de vista económico com a subida constante dos combustíveis, atingindo recordes nunca antes vistos.

Com o valor do gasóleo superior ao da gasolina, grande parte do parque automóvel português está a sofrer um impacto significativo, e este combustível começa a fazer pouco sentido em termos de economia.

A mobilidade eléctrica encareceu e apenas compensa se poder carregar em casa o seu veículo. Já para não falar do custo elevado de uma automóvel eléctrico (ou motociclo) e sendo assim restam poucas alternativas viáveis para poupar no dia á dia em termos de mobilidade.

As duas rodas de baixa cilindrada são muito económicas tanto no consumo como na sua manutenção, no seguro e em termos de IUC e poderão ser a alternativa que procura para as deslocações diárias sem gastar uma pequena “fortuna” nos postos de combustíveis.

Quisermos dar destaque a propostas novas, abaixo dos 3500 euros e da marca Honda sendo que no futuro próximo iremos também dar a conhecer outras propostas de outros fabricantes que são relevantes neste tipo de artigo.

Existem algumas propostas em comercialização no nosso país da marca japonesa que queremos dar a conhecer que poderá ser uma (excelente) possível alternativa ao seu automóvel.

1 – Scooter Honda PCX 125 – Uma proposta do gigante japonês que concilia um consumo de 2,1 l/100 e um valor de venda ao público a começar nos 3.150 euros. Pesa 130 kg, tem start/stop, espaço para capacete, ficha para carregamento USB, e tem no seu motor de 125cm3 com 12,5 cavalos e 11,8 Nm um grande aliado para todas as situações.

2 – Scooter SH Mode 125 – Um conceito ligeiramente diferente da PCX tanto no design como na dinâmica mas com o mesmo consumo anunciado de 2,1 L/100 km e um valor de venda ao publico que começa nos 2.900 euros. Pesa 118 kg, o motor de 125 cm3 debita 11,4 cavalos e o binário de 12,1 é o mais elevado de todas as propostas aqui apresentadas.

3 – Scooter Vision 110 – É a versão menos potente e com menos cilindrada deste grupo, mas conta com bons argumentos para ser uma excelente alternativa ao automóvel. Pesa 110 kg, tem um consumo anunciado de 1,83 L/100 km batendo as propostas 125cc. O seu motor debita 8,7 cavalos e 9,0 Nm de binário. A sua simplicidade e facilidade de condução encontra no seu preço de venda ao público de 2.300 euros um forte argumento.

4 – CB125F – A moto que conta com caixa manual de 5 velocidades (ao contrário das Scooter), um conceito diferente pois é uma moto na sua “essência” de condução que também tem as suas qualidades e respectivas vantagens. Com 10,8 cavalos de potência e 10,9 Nm de binário, o consumo anunciado é de 2,1 L/100 kms o que demonstra o porquê de ser tão apreciada em cidade. Pesa 117 kg e o seu preço de venda ao público é equilibrado, começando nos 2.750 euros.

Qualquer destas motos, poderá contar com a tradicional fiabilidade que caracteriza a Honda e claro peças acessíveis e uma manutenção ao alcance da maioria das carteiras.

Este tipo de alternativa pressupõe que queira fazer alguma mudanças na sua rotina e até mesmo aprender a andar de moto, a carta do automóvel (B) serve para este tipo de moto e como tal está assegurada a sua legalidade (A1).

Se optar por esta solução fica a faltar a compra de um capacete, um bom casaco e respectivas luvas e se precisar de mais espaço, aconselhamos a compra de uma top case que poderá vir com a moto se assim o desejar.

O seguro é obrigatório e não tem um custo muito elevado na esmagadora maioria dos casos, sendo inferior ao que pagamos num automóvel.

Faça-se à estrada em segurança e comece a fazer as suas contas, pois uma moto deste género poderá representar uma poupança significativa nas deslocações diárias em especial nas cidades.

Sérgio Gonçalves
Latest posts by Sérgio Gonçalves (see all)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.