“PÃO DE FORMA” DE T2 ELÉTRICO PARA O ID. BUZZ

Published On 31 de Agosto de 2022 | Notícias, Novidades

A Volkswagen lançou as bases para o ID. Buzz, que tem várias gerações de carrinhas Volkswagen nos seus genes, há mais de 50 anos: Em 1970, Adolf Kalberlah fundou a área de desenvolvimento “Future Research”, que desenhou os primeiros Volkswagen com sistemas de condução elétrica. Dois anos depois, a Volkswagen apresentou uma carrinha elétrica baseada no T2 – inicialmente como veículo de teste, depois como uma oferta limitada a alguns clientes empresariais, com várias configurações possiveis.  

A visão do “Pão de Forma” elétrico nasce, mas ainda não é prática. O primeiro protótipo do T2 – um camião achatado com uma área de carga aberta – pesa 2,2 toneladas e transporta uma bateria de 880 quilogramas com uma capacidade de 21,6 kWh. Em comparação com os sistemas de baterias de hoje, as células não são apenas pesadas, também armazenam significativamente menos energia.

50 anos depois, as baterias na primeira geração do ID. Buzz têm uma capacidade de 77 kWh (net) e pesam 500 quilogramas – o resultado de muitos anos de pesquisa e desenvolvimento. Por último, mas não menos importante, o progresso tecnológico permite hoje a produção em série do novo modelo, algo impensável há 50 anos.

Conceito MEB poupa espaço para o ID. Buzz

Já que estamos a falar de agilidade: o T2 elétrico de 1972 baseou-se na plataforma do T2 convencional. Como tal, foi difícil instalar a bateria na parte inferior do veículo, que foi montada no piso de carga, de onde poderia ser removida mais facilmente. Em contraste, o ID. Buzz é baseado no Modular Electric Drive Kit (MEB) e tem uma arquitetura totalmente nova. Isto permite instalar a embalagem da bateria mais abaixo, permitindo um chão plano no “Pão de Forma” do século XXI. Resultado: um centro de gravidade mais baixo e um comportamento dinâmico de referência, garantindo agilidade, segurança e uma porção saudável de prazer de condução. Também cria possibilidades, mais espaço e uma nova sensação de espaço no interior.

Como nenhum motor é instalado na frente, o círculo de viragem é extremamente reduzido, o ID. Buzz é capaz de fazer inversão de marcha em apenas onze metros – semelhante ao do compacto Golf. Isto garante o prazer de condução mesmo nos espaços mais apertados, tornando-o perfeitamente adequado para a cidade e parques de estacionamento estreitos. 

Substituição da bateria vs. carregamento da bateria

Como a autonomia da T2 elétrica era de apenas cerca de 85 quilómetros, um sistema de mudança de baterias altamente inovador – para a época – foi utilizado em 1978 durante um teste na frota de um grande cliente com sete T2 em Berlim. No posto de mudança das baterias no distrito de Tiergarten, demorou apenas cinco minutos a substituir uma bateria vazia por uma totalmente carregada. Isto reduziu drasticamente os tempos de espera de várias horas, o que teria sido necessário para o processo de carregamento.

O princípio da substituição da bateria já não é usado nos dias de hoje – até porque o desempenho do carregamento melhorou incomensuravelmente. Veja-se o ID. Buzz, por exemplo: graças a uma capacidade máxima de carregamento de 170 kW em postos de carregamento rápido, as baterias podem ser carregadas de 5 a 80% em aproximadamente meia hora.

Sistema de recuperação de energia já podia ser encontrado no T2

No que diz respeito à gestão energética, a Volkswagen já era inovadora na década de 70. A carrinha elétrica T2 já tinha um sistema de recuperação de energia, que recuperou energia cinética sob travagem e depois utilizou esta energia para carregar a bateria. Um tour de force tecnológico na época, agora dado como certo. Esta tecnologia foi refinada e otimizada para o ID. Buzz – no entanto, o princípio básico de gerar energia através da inércia num sistema fechado permanece o mesmo. Isto pode aumentar o intervalo em 20 a 30 por cento.

Mudanças dramáticas ao longo de cinco décadas

Houve também algumas mudanças fundamentais, que se resumem ao desenvolvimento tecnológico. Em 1972, quem diria que um dia poderiam ensinar o seu “Pão de Forma” a estacionar sozinho, como se pode fazer com o ID. Buzz? Ou falar com ele através do controlo de voz, para evitar que as janelas embaciem ou para solicitar que o “Pão de Forma” calcule a rota, incluindo paragens para carregamento?

O que começou como um trabalho pioneiro com a carrinha elétrica T2 em 1972 é agora, 50 anos depois, a realidade. Progressivo e versátil – o ID. Buzz combina as tendências automobilísticas mais importantes do nosso tempo: eletromobilidade, rede inteligente de sistemas de assistência e informação, pré-requisitos técnicos para a condução automatizada e atualizações de software over-the-air.  

Sérgio Gonçalves
Latest posts by Sérgio Gonçalves (see all)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.